logotipo tvi24

Acordo Ortográfico em risco

Divergências entre linguistas de Portugal e do Brasil podem retardar a implementação das novas regras comuns aos países lusófonos

Por: Redacção / JF    |   2008-12-30 15:47

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em 1990, pode falhar na prática caso não seja elaborado um vocabulário ortográfico comum entre o Brasil e Portugal, afirmou o presidente do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) à agência Lusa.

O Brasil será o primeiro país a adoptar oficialmente as novas regras ortográficas que entram em vigor a 1 de Janeiro de 2009, com um prazo para adequação e reedição dos livros didácticos e dicionários até Dezembro de 2012.

No entanto, divergências quanto a uma interpretação comum do acordo por linguistas de Portugal e do Brasil podem retardar a implementação das novas regras comuns aos países lusófonos.

Godofredo de Oliveira Neto, que preside ao IILP, ligado à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), afirmou que se a convenção internacional não for adoptada igualmente por todos os países, «o acordo fica desacordado».

«A construção de um vocabulário ortográfico comum é um dos artigos mais importantes exposto no acordo. Se não tiver regras não tem acordo», disse à Lusa o escritor, ao frisar que os linguistas portugueses e brasileiros têm que chegar a um «acordo sobre a interpretação deste acordo ortográfico».

Segundo Oliveira Neto, «o que falta é uma união dos especialistas e não dos políticos, e isso pode prejudicar a implantação do acordo na sua plenitude».

Oliveira Neto disse ser indispensável o entendimento entre a Academia Brasileira de Letras (ABL) e a Academia das Ciências de Lisboa, as duas instituições responsáveis pela elaboração do vocabulário ortográfico para servir como referência para os dicionários.

Partilhar
EM BAIXO: Escrever [Arquivo]
Escrever [Arquivo]

Veja a combinação vencedora do Euromilhões
Em jogo está um jackpot de 21 milhões de euros
BES Leasing lesada na burla de três arguidos no valor de 2,8 M€
Os factos investigados ocorreram entre setembro de 2007 e maio do ano seguinte
Professores «não vão ser prejudicados» se justificarem falta à prova
Nuno Crato relembrou que «a prova se aplica a todos os professores»
EM MANCHETE
Professores têm de justificar falta à prova
Só assim evitarão ser «prejudicados» no próximo concurso, esclareceu o ministro Nuno Crato
RioForte avança com pedido de falência no Luxemburgo
BES contrata Deutsche Bank como conselheiro