logotipo tvi24

Mudança de sexo: há mais mulheres a quererem ser homens

Esta terça-feira realiza-se a quinta operação em três anos. 45 pacientes estão em lista de espera

Por: Redacção / SM    |   2008-11-04 09:13

O homem que é operado esta terça-feira no Hospital de Santa Maria para mudar o sexo para mulher é o quinto nos últimos três anos a submeter-se a este tipo de cirurgia naquela unidade de saúde, disse o cirurgião João Décio Ferreira.

Segundo disse à Agência Lusa o director do serviço de Cirurgia Plástica do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, realizaram-se nos últimos três anos quatro cirurgias de mudança de sexo de homem para mulher e três do feminino para o masculino.

O especialista referiu que «enquanto de homem para mulher a situação fica resolvida em uma cirurgia, a mudança de sexo de mulher para homem é muito mais demorada e exige uma série de intervenções».

O paciente que hoje é operado no Hospital de Santa Maria, para mudar o sexo de homem para mulher, poderá regressar à sua vida normal dentro de três semanas, disse o cirurgião João Décio Ferreira.

Explicou também que uma semana após a operação o doente volta ao bloco para uma cirurgia rápida, de 10 a 15 minutos, e passados dois dias terá alta clínica. «Três semanas após a operação poderá estar a fazer a vida normal, depende da profissão, se não exigir muito esforço físico», adiantou.

Cirurgia demora quatro a seis horas

A cirurgia de hoje é, segundo João Décio Ferreira, «demorada», entre quatro a seis horas, e terá a colaboração de um cirurgião geral, que vai retirar uma parte ao intestino delgado para ajudar na construção do novo sexo.

Por esta operação ser demorada e causar «muita perda de sangue», outras cirurgias, como o aumento dos seios ou a redução da «mação de Adão» (laringe), são feitas posteriormente.

De acordo com o cirurgião plástico, a operação «envolve a remoção do pénis e dos testículos e a construção da vagina aproveitando a pele do pénis e parte da glândula para fazer o clítoris».

Três anos até poder fazer operação

Até chegar ao bloco operatório, o indivíduo que pretende mudar de sexo tem que fazer um longo percurso, que se prolonga por cerca de três anos.

Inicialmente, passa por uma consulta de Psiquiatria dedicada a este tipo de patologia, consulta que se realiza nos Hospitais de Santa Maria, da Universidade de Coimbra e Júlio de Matos.

«Passado um ano, quando há uma convicção, começa-se a fazer a terapêutica hormonal e depois o doente é enviado a outro centro para confirmar o diagnóstico», disse o cirurgião, adiantando que o processo exige ainda uma autorização da Ordem dos Médicos (OM), sendo o único acto médico no país que carece deste tipo de licença.

Na OM, uma comissão nomeada pelo bastonário analisa todo o percurso clínico do doente e dá o parecer de acordo com as normas internacionais.

O cirurgião explicou, também, que o processo é longo, uma vez que é uma «operação irreversível, não havendo hipóteses de voltar atrás».

Sobre os custos da operação, desconhece o valor nos hospitais públicos, mas adiantou que no sector privado varia entre 15 mil e 25 mil euros.

«Não é muito representativa na despesa total do Hospital de Santa Maria», afirmou, adiantando que apenas tem conhecimento de que o único local do país, em termos de hospitais públicos, onde se faz este tipo de operações é naquela unidade de saúde.

Há mais mulheres a quererem ser homens do que o contrário

Em Portugal e ao contrário do que se passa no resto do mundo, há um maior número de mulheres que querem tornar-se homens: uma média de três casos de mulher para homem e um de homem para mulher.

Como em outras especialidades, a cirurgia de mudança de sexo também tem lista de espera.

O director do serviço de Cirurgia Plástica do Hospital de Santa Maria tem 45 pacientes em acompanhamento: 30 que querem alterar o sexo de mulher para homem e 15 do masculino para o feminino.

Partilhar
EM BAIXO: Operação - [arquivo]
Operação - [arquivo]

Há 12 portugueses na «jihad» islâmica
O autoproclamado Estado Islâmico da Síria e do Iraque conta com a participação de vários jovens emigrantes de segunda e terceira geração
As férias podem ter terminado, mas o verão não
Veja como vai estar o tempo
Nova avaria em avião da TAP
Voo que ia do Porto para Milão teve de aterrar 10 minutos depois do início da viagem
EM MANCHETE
CGTP quer salário mínimo de 540 euros
Inter quer ainda aumentos de 3%. Sindicalistas vão discutir reivindicações para 2015, mas da reunião pode sair ação de luta em outubro ou novembro
Governo deixa cair aumento da TSU e do IVA para 2015
Nova avaria em avião da TAP