logotipo tvi24

Cirurgia nos EUA a «homem sem rosto» paga pelo SNS

Português tinha deformação congénita que o punha em risco de vida

Por: Redacção / AG    |   2010-10-19 16:57

A operação ao «homem sem rosto», um português conhecido pela sua deformação na face, realizada nos EUA, foi paga pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O responsável por esta área na Direcção Geral da Saúde (DGS), Cláudio Correia, disse à Lusa que este é um caso que mereceu «especial atenção» por parte deste organismo do Ministério da Saúde, dada a gravidade do problema.

O «homem sem rosto» trata-se de José Mestre, recentemente operado em Chicago por causa da deformação congénita que lhe estava a colocar a vida em risco.

O SNS pagou toda a despesa: intervenção cirúrgica, alojamento, viagens e acompanhamento.

«Este é um caso que ultrapassa, e muito, a questão financeira», disse Cláudio Correia.

Na cirurgia, foi removido um tumor de 40 centímetros e 5,5 quilos a José Mestre. O tumor cobria a maior parte da face e punha em risco a vida do «homem sem rosto».

Documentário do canal Discovery

A história do «homem sem rosto» tornou-se conhecida em Julho de 2009, quando a Discovery convidou José Mestre para filmar um documentário em Londres sobre o seu problema. O programa foi apresentado em Dezembro e contou com a participação de dois médicos prestigiados dos hospitais St Bartholomew e Broomfield.

Um dos médicos consultados, Ian Hutchison, ofereceu-se para fazer uma cirurgia inovadora, e de graça, para devolver a José Mestre o rosto que desde criança se vinha a deformar.

Apesar do especialista prometer uma melhoria da qualidade de vida já que lhe possibilitaria respirar melhor, falar, comer e ver, José Mestre, como testemunha de Jeová, mostrou reservas em fazer a cirurgia.

Complicações

No entanto, o facto de, nos últimos meses, o tumor lhe ter provocado cegueira de um dos olhos, além de ter coberto por completo a boca e a língua, levou a sua irmã a insistir na operação.

«Se não fosse feito nada, ele morria», explicou à ABC a irmã, Edite Abreu, garantindo que «agora, ele tem uma nova vida».

A maioria de cirurgiões tem «pânico» de realizar operações como a que José Mestro foi submetido, uma vez que «os pacientes correm elevado risco de vida», explicou o cirurgião Biscaia Braga, citado pela agência Lusa.

São sempre «muito complicadas» uma vez que o «doente pode morrer ao se esvair em sangue, dado que os vasos sanguíneos não têm os mecanismos normais de coagulação», declarou o especialista, que realizou várias intervenções deste género em Portugal.

Segundo Biscaia Fraga, trata-se de um hemangioma cavernoso, uma malformação congénita, constituída por vasos sanguíneos anormais, que causa uma deformação grave, sendo, no caso de José Mestre, uma deficiência especialmente dada a sua localização na face que é «o cartão de visita da pessoa».

«É uma situação grave porque vai crescendo, ao ponto de tornar a pessoa num verdadeiro monstro», acrescentou o especialista, que explicou que, antes da intervenção, são aplicadas técnicas inovadoras, como a embolização das veias lesadas, pelas quais são enviados produtos com o objectivo das artérias não terem tanto sangue.

A segunda etapa deste processo, a da reconstrução, é «muito difícil», dado «o terreno ser totalmente adverso».

Segundo um dos médicos envolvidos na intervenção, Ramsen Azizi, «este foi provavelmente o maior tumor jamais retirado e, por isso, foi muito difícil fazê-lo sem deformar o rosto».

Partilhar
EM BAIXO: Homem da «máscara» em Lisboa (Manuel de Almeida/Lusa)
Homem da «máscara» em Lisboa (Manuel de Almeida/Lusa)

Jornalista da TVI Ana Leal vence Prémio Gazeta
Grande reportagem sobre os colégios privados
Reitores propõem solução para unidades científicas que perderam financiamento
Várias unidades, que tiveram boas notas em avaliações anteriores, baixaram este ano a classificação, perdendo fundos públicos
Este mês de junho foi o mais quente de sempre
Temperatura da superfície dos oceanos registou também o valor mais alto de sempre
EM MANCHETE
Rebeldes entregam as caixas negras
Autoridades da Malásia garantem que as caixas negras do avião abatido na Ucrânia estão «em boas condições»
Vítor Bento quer «reconquistar a confiança dos mercados»
Professores exigem demissão e avançam com queixa-crime